Embolia gordurosa relacionada a lipoaspiração e lipoenxertia

Embolia pulmonar

A embolia gordurosa é definida como a ocorrência de bloqueio mecânico da luz vascular por gotículas circulantes de gordura. Acomete principalmente o pulmão, podendo afetar também o sistema nervoso central, a retina e a pele. A síndrome da embolia gordurosa é uma disfunção desses órgãos causada pelos êmbolos gordurosos.

Em poucos casos a EG evolui para a “síndrome da embolia gordurosa” (SEG) a qual afeta principalmente os pulmões e o cérebro, embora qualquer órgão ou estrutura do organismo possa ser afetada.

A síndrome da embolia gordurosa (SEG) é uma complicação grave de fraturas de ossos longos, podendo ocorrer também após procedimentos estéticos como a lipoaspiração e a lipoenxertia.

No pulmão, a SEG fulminante se manifesta como insuficiência respiratória grave e síndrome da angústia respiratória do adulto (SARA), porém os êmbolos podem atingir a circulação arterial e afetar outros locais, como o sistema nervoso central, a retina e a pele.

As causas mais comuns de embolia gordurosa e síndrome da embolia gordurosa
são as fraturas de ossos longos, onde, com o rompimento de vasos, há mistura da medula óssea com sangue, que é direcionada ao pulmão. Do pulmão pode chegar ao cérebro, rins e coração, obstruindo os vasos capilares. Também há relatos de sua ocorrência após procedimentos estéticos, como a lipoaspiração e a lipoenxertia, onde podem ocorrer a perfuração de vísceras e a injeção intravascular da gordura na corrente sanguínea.

A característica tríade de sintomas é representada pela dificuldade respiratória progressiva, pelas alterações da consciência e/ou do comportamento, e pelas petéquias cutâneas. Classicamente, os sintomas se iniciam entre 12h e 24h após o trauma, embora não sejam raros os casos em que isto só ocorra após 36h a 72h.

O diagnóstico é clínico, e o tratamento ainda se restringe a medidas de suporte, assistência ventilatória, como oxigenoterapia ou ventilação mecânica, nos casos mais graves.

Para prevenir a embolia gordurosa, alguns itens são importantes:

  • Tempo cirúrgico, uma vez que a lipoaspiração prolongada pode induzir a um maior índice de mobilização de gordura. Preconiza-se atualmente que a lipoaspiração seja feita num prazo máximo de cinco horas em ambiente apropriado e com aparelhagem e monitorização adequadas.
  • Evitar esse procedimento (lipoaspiração) associado a outros (na revisão de literatura os casos de embolia gordurosa grave estavam associados com outras cirurgias estéticas), por haver um maior risco de sangramentos, anemias agudas e mais complicações.
  • Exames pré-operatórios mais completos.

Para se ter segurança durante o procedimento cirúrgico, é importante escolher um bom profissional médico e um ambiente apropriado com aparelhagem e monitorização adequadas.

A drenagem linfática manual, realizada por um fisioterapeuta é essencial para assegurar o resultado satisfatório da cirurgia, minimizando danos, favorecendo a neovascularização sanguínea e linfática e o incremento da rede neuronal, além de proporcionar conforto ao paciente.

Segue o link de alguns estudos e publicações:

Um grande abraço, Denise Mercer (fisioterapeuta)

Anúncios

Um pensamento sobre “Embolia gordurosa relacionada a lipoaspiração e lipoenxertia

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s